27 July 2007

A não ler, em estado de lucidez.

Há coisas que me fazem regressar à Terra e puxar pelo meu lado mais frio, que todos sobejamente conhecem. Há coisas que, com apenas um copo, me levam bem longe. Não sei, parece-me às vezes mais confuso do que efectivamente poderá ser - parece conversas que eu tive, há uns anos, com a Pipa, a propósito de outras cruzadas.

Eu olho, voçês olham e dizem: Cruzes :-) Já estou a imaginar Arturette, Fernandette, Luisinha e até Nunette, encostadas a qualquer parede de um estabelecimento de diversão nocturna a dizer "credo, migas, quem é que pega naquilo.. vesga, torta, gorda e feia.. até ouvi dizer que ela é vendedora de telemóveis ali no Fonte Nova, vejam bem, coitada". Pois é, ninguém pega, nem ele mesmo (e não me parece que o statement dele mesmo seja falso, de modo algum).

E depois, a surpresa, quando alguém mostra que é especial, em alguma coisa, e nos despoleta reacções que nós juraríamos jamais poder ter.

A boca aberta serve-nos a todos, e já todos a servimos, em algum momento de nossas pikennnnaaaasss vidas (tinha que vir a bichisse, novas, nós). Eu não gosto de Opera, pensar que há algo que me emociona mais que ver o "The Hours" pela 8798783427832 vez ou até, de em pré-sonho, imaginar como será perder alguém de quem gosto mas, a verdade, é que ver isto está a ser uma verdadeira ameaça à minha conviccção. Se acharem que tudo isto se calhar é (muito) ridículo, infundável mesmo, é mesmo melhor ignorarem e nem sequer ousarem em tocar no assunto para além de, pff, pensarem que se calhar até não me conhecem tão bem, como julgavam.

Beijos, Nunette, mais uma vez com um copo a mais.

1 comment:

Nunette said...

Já sei (e estou a falar a sério). Fui à cozinha, servi-me de mais um copo. A seguir peguei em mais um copo, abri o The Hours e descobri a causa das 438349043583 vezes de emoção. A morte.

Era só isto.

Nunette_que_vai_ao_Vibe_hoje. :-))