04 November 2008

MADEIRA - Diario de bordo I e II

Pois é Pipette, Noiva suburbana e Luizinha foram passar a semana à Madeira,às quais se juntará a minha saudosa e imprescidivel Nunette na 6ª Feira.
Como a Pipette e a Noiva suburbana vieram logo pela manhã aproveitaram e foram visitar o Jardim botanico e os Orchids Garden que as maravilhou
Domingo 1ª noite e Luizinha a nativa acabada de chegar, após um jantar na casa da anfitriã LuizinhaII preparado pela amiga Rosete em que a Noiva Suburbana foi admiradissima por um dos membros masculinos divinais da familia Camacho, pegou nas suas Pipette e Noiva Siburbana e vai de mostrar as vistas das montanhas este e oeste sobre a fabulosa baía do Funchal, entre outras coisas como a harmonia e civilização em que se conservam os bairros ditos sociais. Abismadas e como classifco o estado em que as amigas ficaram,
Após istonada como começar a provar as famosas ponchas da região e rumámos à (injustamente) mal afamada vila pitoresca de Camara de Lobos.
Novamente surpresas com a difrença do visto através de orgãos de comunicação social e a realidade da li,peza, organização e modernidade da vila conotada outrora com a pedofilia.
Seguiu-se a prova das ponchas, e Luizinha de pronto informa no tom que lhe é habitual à Noiva suburbana do nome que os locais dão ao acessorio em Madeira com que se faz a famosa bebida. A Noiva desta a rir sem acreditar que o nome era ''CARALHINHO'', Luizinha então disse não acreditas pergunta lá ao sr, do bar, que de pronto respondeu: ''É de facto o nome que o sr menciomou deixando a Noiva corada, não tanto como ficou depois de ingerir a mesma desta feita a de maracujá. De volta ao Funchal e no ouyto bar da mesma cadeia voltaram todas desta feita a provar a tradicional (um boom de alcool).
2ª Feira apos refeitas da noite anterior perdendo o horario do pequeno al,oço no hotel, desceram ladeira abaixo até à cidade e foram conhecer a zona velha da mesma.
Para matar o bicho provaram em 1ª vez as famosas sandochas de Povo de cebolada acompanhadas por umas bejecas da medalhada cerveja regional ''CORAL''.
Depois de tudo isto internaram-se mum Spa capilar aos cuidados da amiga Rosette aonde foram tratadas principescamente e sairam restauradas dos ombros para cima.
Rumámos então às montanhas para provar a famosa espetada com milho frito que escusado será dizer adoraram também. Ficaram-se pela esplanada mais gay da cidade o cafe do Teatro.
Amanhã (hoje novo dia novo diario nofinal do mesmo)

Eis a poncha:


Arturette não sejas invejosa.

Bjs Ilheus da Luizinha I

3 comments:

Nunette said...

Porque é que eu vejo álcool escarrapachado em cada linha do post?

Grata que estou do "às quais se juntará a minha saudosa e imprescidivel Nunette na 6ª Feira." (apesar os erros)

A saudosa, Nunette

Noiva SubUrbana said...

Adorei a estadia! Madeira forever!
Aproveito para agradecer a hospitalidade de Luizinha, a melhor cicerone da ilha, que nos levou a passear por vales, montanhas, praias, túneis, vilas, aldeias, tascas, spas, penhascos, planícies, cabos e penínsulas.
Agradeço igualmente às restantes fantásticas muchachas madeirenses que me fizeram levar o arquipélago no coração: Luizinha II, a porreiraça; Rosette, a alma generosa; Gisette e Piscinette, o casal maravilha boa onda.
Por último, não posso deixar de agradecer ao bolo do caco e à poncha.
Sempre vossa,
Noiva Suburbana

Anonymous said...

...please where can I buy a unicorn?