20 November 2007

Coisas que passam



Uma casa que seja nossa, que a sintamos mesmo assim, deseja-se, conforta-nos, cria raízes e cresce em nós. Ao entrar ou ao sair, sabemos que primeiro são cinco degraus, depois são dez e a seguir são os que forem. Mais ou menos com os copos, ás escuras, de olhos fechados, vendados, chegamos á fechadura, sabemos onde está, tacteamos, pomos a chave primeiro torta e depois direita ou depois direita e antes torta mas entra, e a porta abre. Nunca duvidámos que isso acontecesesse. Lá dentro, com sono ou com insónias, as sombras são as mesmas. No tecto, reflectem-se personagens, figuras, os carros que ainda passam e que consigo distinguir, no tecto. O barulho da rua. Fiquei acordada noites inteiras, de contentamente, de tristeza, de apreensão e elas lá estavam, sempre, as sombras. As mesmas, a movimentarem-se previsivelmente inconstantes. E depois as coisas, nos sitios, ou onde nunca se encontravam, mas acabavam por aparecer onde e quando menos se esperava. Coisas até que nem sabíamos já existirem. Mas estavam. Ainda hoje, cheias de pó, algumas partidas, outras estragadas outras já sem alma, nenhuma, que lhes devolvi, hoje. Estavam. Os Natais, os Aniversários, os Dias de Festa, a minha família, toda, todos ali, comigo, connosco. Estava sempre quente. A minha casa, de sempre, para sempre, onde me fiz, bem, mal, mais ou menos, o que sou. As escolhas que fiz, bem, mal, mais ou menos, ali. A minha casa, membro indiscutível da minha família, deixou de o ser e neste momento não sei que faça, estúpidamente, a este vazio imenso, de degraus, fechaduras, tectos, paredes e coisas que não aquelas, naqueles sítios. Simplesmente porque as sombras nunca serão iguais.

3 comments:

Arturette said...

Ó mulher o que é que se passou???Quando abri o blog ia chorando com este texto...Deves estar a sofrer horrores...
E as palavras tão lindas e sentidas...Adorei e nota-se a tua tristeza e melancolia...
Sempre que quiseres uma casa com sombras e fechaduras e tectos (só não tenho degraus, mas se quiseres vens pelas escadas)tens a minha aberta...SEMPRE!!!
Beijinho Bom!!!

Ana Sofia said...

Bem tanta tristeza e sofrimento só me fazem lembrar as angustias da minha estimada amiga Arturette aquando das suas tão sofridas perdas amorosas que além de penosas eram longas!!!!Tanto tanto sofrimento que até se me caem lágrimas de sangue!!!
Ò mulheres cabeça erguida a vida continua com sombras ou sem sombras com ou sem degraus (eu prefiro elevadores...) o que interessa é o nosso cantinho do amor!!! Bjinhos bons p todas
Anne Cucaraxa

Loura Migratoria said...

Nem sempre as mudanças que acontecem na nossa vida têm de ser más. Há que encará-las sempre de modo positivo..
Deixas-te memórias que serão sempre recordadas com nostalgia e que por vezes poderão até ser recordadas com melancolia, porém na nossa vida sempre que se fecha uma porta abre-se sempre uma janela. É nessa janela que faremos novas memórias que nos aconpanharam . Nessa janela criaremos novas sombras que serao tao importantes como as outras o foram.
Beijinhos de conforto pipette com esperança que passe depressa.